Menu

RICARDO BOECHAT: Admiradores prestam últimas homenagens ao jornalista

Amigos, fãs e familiares prestam últimas homenagens ao jornalista Ricardo Boechat, que morreu nesta segunda-feira (11), vítima de um acidente de helicóptero, na rodovia Anhanguera, em São Paulo.

Banners

Por Marquezan Araújo

Amigos, fãs e familiares prestam nesta terça-feira (12) as últimas homenagens ao jornalista Ricardo Boechat, morto na segunda-feira (11), vítima de um acidente de helicóptero, na rodovia Anhanguera, em São Paulo.

O velório, aberto ao público, acontece no (MIS) Museu da Imagem e do Som, no Jardim Europa, na zona sul da capital paulista. 

No início da manhã desta terça, a mulher do jornalista, Veruska Boechat, falou com a imprensa sobre a convivência com o companheiro. Comovida, ela disse que o marido, que se dizia que ateu, era a pessoa “que mais seguia o mandamento mais importante: o de amar ao próximo.” Veruska também contou que Boechat sempre foi um bom pai e  tudo o que ele conquistou foi pensando na família.

Ao longo da cerimônia, iniciada na noite de segunda-feira, o velório contou com a presença de nomes importantes da comunicação brasileira, como o presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad. Sobre o companheiro de trabalho, o empresário disse que Boechat tinha uma graça e um jeito único de fazer jornalismo.

Outras figuras públicas como o apresentador Otávio Mesquita e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) também foram ao Museu da Imagem e do Som prestar condolências aos familiares de Boechat.

Ricardo Eugênio Boechat era considerado um ícone do jornalismo. Ao longo de quase 50 anos de carreira, ele acumulou importantes premiações, como três prêmios Esso, e 17 troféus do prêmio Comunique-se.

Além disso, ele passou pelos mais importantes jornais, canais de televisão e rádios do País. Atualmente, Ricardo Boechat trabalhava como âncora do Jornal da Band e da BandNews FM, além de ser colunista da revista ISTOÉ.
 

Comente...

Cadastre-se

Amigos, fãs e familiares prestam nesta terça-feira (12) as últimas homenagens ao jornalista Ricardo Boechat, morto na segunda-feira, vítima de um acidente de helicóptero, na rodovia Anhanguera, em São Paulo.

O velório, aberto ao público, acontece no Museu da Imagem e do Som (MIS), no Jardim Europa, na zona sul da capital paulista. 

No início da manhã desta terça, a mulher do jornalista, Veruska Boechat, falou com a imprensa sobre a convivência com o companheiro. Comovida, ela disse que o marido, que se dizia que ateu, era a pessoa “que mais seguia o mandamento mais importante: o de amar ao próximo.” Veruska também contou que Boechat sempre foi um bom pai e  tudo o que ele conquistou foi pensando na família.

Ao longo da cerimônia, iniciada na noite de segunda-feira, o velório contou com a presença de nomes importantes da comunicação brasileira, como o presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad. Sobre o companheiro de trabalho, o empresário disse que Boechat tinha uma graça e um jeito único de fazer jornalismo.

Outras figuras públicas como o apresentador Otávio Mesquita e o governador de São Paulo, João Doria, do PSDB, também foram ao Museu da Imagem e do Som prestar condolências aos familiares de Boechat.

Ricardo Eugênio Boechat era considerado um ícone do jornalismo. Ao longo de quase conquenta anos de carreira, ele acumulou importantes premiações, como três prêmios Esso, e dezessete troféus do prêmio Comunique-se.

Além disso, ele passou pelos mais importantes jornais, canais de televisão e rádios do País. Atualmente, Ricardo Boechat trabalhava como âncora do Jornal da Band e da BandNews FM, além de ser colunista da revista ISTOÉ.

Reportagem, Marquezan Araújo